Naufrágio na Figueira da Foz provoca 4 mortos e 1 ferido grave

Quatro pessoas morreram, este sábado, na sequência de um naufrágio, ao largo da Figueira da Foz, na praia do Hospital, segundo informação de fonte do Hospital Distrital da Figueira da Foz.

De acordo com a fonte do hospital, o quinto tripulante da embarcação, tem estado em vigilância, apresentando, problemas de insuficiência respiratória, sendo, entretanto, transferido, para os Hospitais da Universidade de Coimbra.

MUNICÍPIO DE CONDEIXA DE LUTO:

A Rádio Foz do Mondego apurou, que três das vítimas mortais, residiam, no concelho de Condeixa-a-Nova.

Segundo comunicado da Autoridade Marítima Nacional (AMN), os quatro tripulantes, seguiam numa embarcação marítimo-turística, que transportava cinco pessoas. O alerta foi dado, pelas 07H00, através de uma das vítimas, que conseguiu chegar a terra.

A AMN explica que, na sequência do alerta e após as buscas levadas a cabo, por elementos da Estação Salva-vidas e do Comando Local da Polícia Marítima da Figueira da Foz, bem como uma aeronave da Força Aérea Portuguesa, elementos dos Bombeiros Sapadores e dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz e do INEM, as outras quatro pessoas que estavam desaparecidas “foram localizadas, na zona da rebentação da praia do Hospital”.

No areal foram “iniciadas as manobras de reanimação por parte do INEM”, sendo depois as vítimas “transportadas em estado crítico, para o hospital, pelos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz e pelo INEM”.As causas do acidente, na praia do Hospital, situada, a sul da barra da Figueira da Foz, estão, segundo a AMN, “ainda, por apurar”.

Fonte da comunidade piscatória local especificou, entretanto, de que se tratava de uma embarcação de pesca desportiva, com 7 metros, que saiu da barra da Figueira da Foz.As condições de navegabilidade, à hora do acidente eram difíceis, sublinha a mesma fonte, devido ao muito nevoeiro e ao mar agitado que se fazia sentir.

SANTANA LOPES DESTACOU A RAPIDEZ DOS MEIOS DE SOCORRO:

Entretanto, Pedro Santana Lopes, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, numa reação, ao sucedido, sublinhou que os meios de socorro “responderam com rapidez mas, infelizmente, nada, havia a fazer”.

De referir que, dos muitos meios, mobilizados, rapidamente, para o local, foi um helicóptero da Força Aérea.

Pedro Santana Lopes, ainda, acrescentou, que “há aqui uma questão de assoreamento, que importa resolver, tão depressa quanto possível. Não quero politizar a situação, mas é bom, que as várias autoridades com jurisdição coordenem esforços e meios para a resposta ser rápida e eficaz para se poder salvar vidas”.

O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz salientou que “para além da questão do bypass (transferência de areias de norte para sul) há o desassoreamento permanente, até para viabilizar ainda, mais o Porto da Figueira da Foz, (equipamento) com uma importância cada vez maior, dadas as unidades industriais que aqui estão situadas e outras, que para aqui querem vir”.“É algo que no famoso PRR, ainda, não está suficiente dotado. É bom que as autoridades do país, tenham a noção do gravíssimo problema que, há aqui”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.